sexta-feira, 2 de março de 2012

Dois velhos poemas - música de Imogen Heap



















Nesta viagem surreal em que vagueio, encontrei enquanto vasculhava meu velho espólio de livros empilhados no chão do meu quarto,  recém chegados do passado, este velhíssimo poema dos times ...









Três donzelas foram de viagem
Uma levava um pedaço de pão
                                         na mão
Uma disse
                 Cortemo-lo e dividamo-lo


E chegaram a uma floresta vermelha
e no meio da floresta vermelha
                 encontraram uma igreja vermelha
e na igreja vermelha
              havia um altar vermelho
e em cima do altar vermelho
               estava uma faca vermelha
e agora chegamos à parábola
                                                     Elas
pegaram na faca vermelha e feriram 
                                                   o pão
e onde o golpearam com a
                                           faca tão vermelha
                                           o pão era vermelho
Lawrence Ferlinghettti














... noutro livro amarelado, de ásperas folhas encontrei este também dum outro tempo...









O peso do mundo
          é o amor.
Sob o outro peso
         da solidão,
sob o outro peso
         da insatisfação

         o peso,
o peso que trazemos
         é o amor.
Quem pode negá-lo?
          Nos sonhos
ele toca
          no corpo,
em pensamento
          constrói
um milagre,

          em imaginação
angustia-se
           até nascer
num ser humano -

do coração espreita
         em pura chama -
pois o peso da vida
        é o amor,

mas trazemos o peso
         muito cansados,
e assim repousamos
nos braços do amor
        por fim ,
repousamos nos braços
          do amor.

Não há repouso
          sem amor,
nem sono
        sem sonhos
de amor -
          seja louco ou gelo
obcecado por anjos
           ou máquinas,
o desejo final
          é o amor
-não pode amargar,
     não pode negar
nem pode fugir
          quando for negado

o peso é de mais

      - tem de se dar
pois nada em troca
          como pensado
é dado
         na solidão
por mais que excele
         e que se exceda.  


Os corpos quentes
         brilham juntos
na escuridão,
         e a mão move-se
para o centro
          da carne,
a pele treme
         de felicidade
e a alma assoma
         alegre nos olhos -

sim, sim,
          é isso mesmo
que eu quero,
          que eu sempre quis,
pois sempre quis
        regressar
ao corpo
          de onde nasci.


Allen Ginsberg















Sem comentários:

Enviar um comentário