sábado, 28 de janeiro de 2012

Músicas terríveis !!











Sábado, a noite entrando com boa música e mais uma vez, esgravatando pedaços empoeirados..
Uma caixa com mais de 100 cd´s e muitos anos de coleção; analisei  um por um...
lixo, dar ou  ficar com aqueles mais difíceis de deixar ir... mesmo sabendo que talvez não os oiça mais... 
Fiz algumas pastas no iTunes com montes de  pérolas esquecidas, estive no meu elemento, diverti-me
...








Uáu!
Aquela batida que agitava a  noite
de Maputo, a long, long time...









                                                   









lindoooo, lindooooo, super som, sweet, cool !!
a boa música não se desfaz...é só esfregar um pouquinho um trapo de flanela e as estrelinhas brilham misturadas com a nuvem de pó...






... I should rare my way back home right now (I'm gonna gave her everything I got) I can't stand the way she broke my heart (No I can't stand the way you broke my heart) , lalalalalallallalala
bom, para terminar esta viajem ao passado e para fechar em grande nada como este family affair que é intemporal, é um tema para ninguém ficar matreco, o corpo vibra e vamos dançar....
Bom sábado  !!!!




Adele - 21











Adele é mais uma das Divas sagradas do tempo presente.
Depois do sucesso estrondoso de 19, Adele lançou há cerca de um ano este trabalho e definitivamente afirmou-se como uma das maiores estrelas pop da atualidade..
Simplesmente fabulosa, voz e arranjos  do outro mundo







Hoje é sábado, amanhã é domingo
A vida vem em ondas, como o mar
Os bondes andam em cima dos trilhos
E Nosso Senhor Jesus Cristo morreu na Cruz para nos salvar.

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Não há nada como o tempo para passar
Foi muita bondade de Nosso Senhor Jesus Cristo
Mas por via das dúvidas livrai-nos meu Deus de todo mal.

Hoje é sábado, amanhã é domingo
Amanhã não gosta de ver ninguém bem
Hoje é que é o dia do presente
O dia é sábado.

Impossível fugir a essa dura realidade
Neste momento todos os bares estão repletos de homens vazios
Todos os namorados estão de mãos entrelaçadas
Todos os maridos estão funcionando regularmente
Todas as mulheres estão atentas
Porque hoje é sábado.




                                      





Neste momento há um casamento
Porque hoje é sábado.
Há um divórcio e uma violação
Porque hoje é sábado.
Há um homem rico que se mata
Porque hoje é sábado.
Há um incesto e uma regata
Porque hoje é sábado.
Há um espetáculo de gala
Porque hoje é sábado.
Há uma mulher que apanha e cala
Porque hoje é sábado.
Há um renovar-se de esperanças
Porque hoje é sábado.
Há uma profunda discordância
Porque hoje é sábado.
Há um sedutor que tomba morto
Porque hoje é sábado.
Há um grande espírito de porco
Porque hoje é sábado.
Há uma mulher que vira homem
Porque hoje é sábado.
Há criancinhas que não comem
Porque hoje é sábado.
Há um piquenique de políticos
Porque hoje é sábado.
Há um grande acréscimo de sífilis
Porque hoje é sábado.
Há um ariano e uma mulata
Porque hoje é sábado.
Há um tensão inusitada
Porque hoje é sábado.









Há adolescências seminuas
Porque hoje é sábado.
Há um vampiro pelas ruas
Porque hoje é sábado.
Há um grande aumento no consumo
Porque hoje é sábado.
Há um noivo louco de ciúmes
Porque hoje é sábado.
Há um garden-party na cadeia
Porque hoje é sábado.
Há uma impassível lua cheia
Porque hoje é sábado.
Há damas de todas as classes
Porque hoje é sábado.
Umas difíceis, outras fáceis
Porque hoje é sábado.
Há um beber e um dar sem conta
Porque hoje é sábado.
Há uma infeliz que vai de tonta
Porque hoje é sábado.
Há um padre passeando à paisana
Porque hoje é sábado.
Há um frenesim de dar banana
Porque hoje é sábado.
Há a sensação angustiante
Porque hoje é sábado.
De uma mulher dentro de um homem
Porque hoje é sábado.
Há a comemoração fantástica
Porque hoje é sábado.
Da primeira cirurgia plástica
Porque hoje é sábado.
E dando os trâmites por findos
Porque hoje é sábado.
Há a perspetiva do domingo
Porque hoje é sábado.








Por todas essas razões deverias ter sido riscado do Livro das Origens, ó Sexto Dia da Criação.
De fato, depois da Ouverture do Fiat e da divisão de luzes e trevas
E depois, da separação das águas, e depois, da fecundação da terra
E depois, da gênese dos peixes e das aves e dos animais da terra
Melhor fora que o Senhor das Esferas tivesse descansado.
Na verdade, o homem não era necessário
Nem tu, mulher, ser vegetal dona do abismo, que queres como as plantas, imovelmente e nunca saciada
Tu que carregas no meio de ti o vórtice supremo da paixão.
Mal procedeu o Senhor em não descansar durante os dois últimos dias
Trinta séculos lutou a humanidade pela semana inglesa
Descansasse o Senhor e simplesmente não existiríamos
Seríamos talvez polos infinitamente pequenos de partículas cósmicas em queda invisível na terra.
Não viveríamos da degola dos animais e da asfixia dos peixes
Não seríamos paridos em dor nem suaríamos o pão nosso de cada dia
Não sofreríamos males de amor nem desejaríamos a mulher do próximo
Não teríamos escola, serviço militar, casamento civil, imposto sobre a renda e missa de sétimo dia,
Seria a indizível beleza e harmonia do plano verde das terras e das águas em núpcias
A paz e o poder maior das plantas e dos astros em colóquio
A pureza maior do instinto dos peixes, das aves e dos animais em cópula.
Ao revés, precisamos ser lógicos, frequentemente dogmáticos
Precisamos encarar o problema das colocações morais e estéticas
Ser sociais, cultivar hábitos, rir sem vontade e até praticar amor sem vontade
Tudo isso porque o Senhor cismou em não descansar no Sexto Dia e sim no Sétimo
E para não ficar com as vastas mãos abanando
Resolveu fazer o homem à sua imagem e semelhança
Possivelmente, isto é, muito provavelmente
Porque era sábado.

Vinícius de Moraes


para fechar este tema do álbum 19, curtam...






http://pt.wikipedia.org/wiki/Adele_%28cantora%29

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Papéis velhos - music by Angie Stone







Entretido a vasculhar papeis amarelados e a cheirar a mais de vinte anos , vou a relendo coisas que escrevi  ao longo da vida, vivida...
Resolvi parar a febre do Massala e vir para casa mais cedo.
Como estou com saudades de blogar e não estou com felling  para inventar , vou dar vida a estes escritos esquecidos pelo tempo..









Sob o manto ténue da fragilidade se aninha a alma sofrendo
a dor que agrafa, garra laminada,  corpo prostrado do ser ignorante e surpreso
ele estranha a compreensão comum e  questiona

" Dobra-te homem fraco ! "
Ordena-te assim a vontade impercetível
e o sol e a beleza de descoloram em cinzentos
de tempestade a estoirar!





Ali o cão vadio geme, sinistro som na cidade parada
na calada da noite do desespero
O Buddha abdicou e mendigou
senhor apenas da sua malga de barro de restos e centavos

A alma ardendo, penitência humana, sabia que assim tinha de ser
para poder continuar
Aquela flor viva, noitívaga e cacimbada
dispara setas de cor e frescura , e a tua alma se regozija








Angie Stone é uma das Divas do r&b que mais amo.
Companhia fiel e apaziguadora de emoções e alvoroços da alma já há muitos anos...
O álbum " Mahogany Soul " é a sua obra prima...já aqui postado.



terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Massala Bar - Thievery Corporation







O Massala Bar rouba-me o tempo todo e agora que estou na recta final, acabamentos, decoração, luzes, etc quando chego a casa durmo de imediato...
Já tenho saudades de ter tempo para pesquisar e elaborar meus post seguindo o felling..
O meu filho Ruben fez o logo, gostam ?
A borboleta que é a piece of art está quase feita e os meus dedos doridos, quando estiver pronta mostro...




                                                                                           







domingo, 22 de janeiro de 2012

Seal - Soul 2










Gosto do Seal e este Soul 2 é bem classy, adapta-se ao domingo soalheiro, igual a tantos outros.
As vozes dos putos lá fora na brincadeira, chilreando alegremente no intervalo das músicas, o som médio alto, relaxando, chillando, existindo com paz e prazer...
Estava a ler  o post da Regina que adorei ...
vou colocar este pedaço cru !!!










...

Com o tempo, aprendemos a culturar nossos espaços externos e internos. É maravilhoso olhar para seu apartamento, mesmo que ele não seja próprio, e sentir que ele é uma extensão de você. Que à sua volta estão as suas escolhas, as coisas que você ama, um pouco da sua alma. Que você não só pode como deseja ficar em casa num sábado à noite, absolutamente incluída, com seu livro, filme, fotos, música, vinho.



          



Não precisamos mais que o outro nos diga que somos o melhor. Não precisamos mais de aplausos, nem nos sentirmos tão amados e muito menos buscar essa segurança que vem de fora. A cada dia ficamos mais assim tôdentro. Aprendemos o pulo-do-gato.
http://divadaregina.blogspot.com/






...o caminho para chegar a esse estágio não é fácil , nem é de curto prazo, é penoso e de muitas hesitações, temos que ser perseverantes e ter a certeza absoluta do que não queremos......
eu ainda vou pelos trilhos meio pedregosos,ufffff ...







quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Ash - O rei da praia de Vilankulo


















Meu grande companheiro, confidente, amigo, filho, sei que como tu não vai aparecer mais nenhum...tu falavas sem palavras...
A minha angústia de há dois dias era uma premonição , contigo vai uma grande parte de mim de nós todos...
Eras da cor da areia da praia, os pescadores já te conheciam e apesar da tua imponência não fazias mal a ninguém, viveste livre e feliz, sabia que não te veria mais mas não esperava que fosses tão cedo.
Tu nadavas como ninguém, corrias atrás das gaivotas feito louco, ficavas horas a tentar apanhar os peixinhos nas piscininhas, eras alegre, comilão roubavas os pratos dos teus brothers,ahahaha
Quando eu ficava triste eras tu que me lambias a cara me confortando e limpando as lágrimas, quantas vezes não ias ao meu quarto e depois de veres que eu ainda dormia, deitavas-te e dormias aos meus pés..
Vilankulo sem ti para mim não faz mais sentido, eras o último laço que me ligava ...
Descansa em paz meu fiel amigo, jamais te esquecerei...
Não consigo parar de chorar....puta merda !!!!




                              




                                     



Ah se o meu cachorro soubesse falar
eu passaria horas com ele a conversar sobre a minha vida,
e ele,com toda paciencia,ficaria a me escutar,
e depois,num gesto amigo,me lamberia.

As noites de insônia não me atormentariam jamais,
pois discutiríamos sobre a beleza das estrelas no céu,
e outras cousas que não me recordo mais.
Não me importaria se fosse ele grande ou pequenino,
desde que dividisse um pouco de si comigo,
contando-me histórias sobre o universo canino.
E ao amanhecer,todo contente me falaria,
que melhor dono no mundo não existiria!

Além de falante o meu cão seria zen.
Teria sempre alguma palavra sábia a dizer,
que contaria a mim e a mais ninguém!
Não que fosse ele egoísta,ou quisesse algo esconder,
mas apenas em mim o animal confiaria.

Ao fitar seus olhos envolventes
eu de todo me entregaria,
numa cumplicidade sem igual,jamais vista anteriormente.
E a cada sílaba proferida,eu cada vez mais me orgulharia,
do cão meu tão singular,
que pelo resto da vida me amaria.

Ah se o meu cachorro soubesse falar,
se acabaria,enfim,a minha melancolia.
Ah,se ao menos um cão pudesse me amar.

( autor desconhecido)

O Ash foi tudo isto !!!






                                     



















terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Amy Winehouse - Lioness: Hidden Treasures















Falar de Amy  Winehouse  é  sempre motivo de agradecimento, agradecimento pela música que ela trouxe para as nossas vidas e mesmo  depois de se ter adiantado ainda nos vai oferecendo...
Sou fã desde a primeira hora e este álbum é como se ela nos tivesse deixado prendas para a posteridade, para irmos desembrulhando carinhosamente...
Este 1º vídeo conta a história deste álbum póstumo...













                               











                                      












                                                 










Love you Amy !!!

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Angústia - música da alma










Somos como yo-yo's, agora bem para cima e daqui a pouco lá no fundo...
Os mantras com que treinamos nosso espírito, a tranquilidade conseguida, a consciência do que se não quer, a vontade ferina de buscar momentos felizes  nada valem, quando ela chega e se instala, o peso do chumbo caí sobre o infeliz ...
Mais uma viajem nos túneis escuros do não acreditar mais, as silhuetas dos que desistiram tremeluzem em paredes transparentes te desafiando , a vontade de cagar para tudo bate com o cajado na minha porta, e hesito,  devo abrir ou devo-me esconder ??
Cozinho em lume brando essa interrogação em prantos:
Porquê que tem sempre de voltar sem ser chamada ???
Whatever, esteve o dia todo a chover com força e acho que paira pelo éter uma carga estática muito negativa, tomara que amanhã o dia nasça solarengo...









Súbita, uma angústia...
Ah, que angústia, que náusea do estômago à alma!
Que amigos que tenho tido!
Que vazias de tudo as cidades que tenho percorrido!
Que esterco metafísico os meus propósitos todos!

Uma angústia,
Uma desconsolação da epiderme da alma,
Um deixar cair os braços ao sol-pôr do esforço...
Renego.
Renego tudo.
Renego mais do que tudo.
Renego a gládio e fim todos os Deuses e a negação deles.
Mas o que é que me falta, que o sinto faltar-me no estômago e na
circulação do sangue?
Que atordoamento vazio me esfalfa no cérebro?

Devo tomar qualquer coisa ou suicidar-me?
Não: vou existir. Arre! Vou existir.
E-xis-tir...
E--xis--tir ...

Meu Deus! Que budismo me esfria no sangue!
Renunciar de portas todas abertas,
Perante a paisagem todas as paisagens,

Sem esperança, em liberdade,
Sem nexo,
Acidente da inconsequência da superfície das coisas,
Monótono mas dorminhoco,
E que brisas quando as portas e as janelas estão todas abertas!
Que verão agradável dos outros!

Dêem-me de beber, que não tenho sede!


Álvaro de Campos









Quando o cinzento céu, como pesada tampa,
Carrega sobre nós, e nossa alma atormenta,
E a sua fria cor sobre a terra se estampa,
O dia transformado em noite pardacenta;

Quando se muda a terra em húmida enxovia
D'onde a Esperança, qual morcego espavorido,
Foge, roçando ao muro a sua asa sombria,
Com a cabeça a dar no tecto apodrecido;

Quando a chuva, caindo a cântaros, parece
D'uma prisão enorme os sinistros varões,
E em nossa mente em febre a aranha fia e tece,
Com paciente labor, fantásticas visões,

- Ouve-se o bimbalhar dos sinos retumbantes,
Lançando para os céus um brado furibundo,
Como os doridos ais de espíritos errantes
Que a chorar e a carpir se arrastam pelo mundo;

Soturnos funerais deslizam tristemente
Em minh'alma sombria. A sucumbida Esp'rança,
Lamenta-se, chorando; e a Angústia, cruelmente,
Seu negro pavilhão sobre os meus ombros lança!


Charles Baudelaire






Tortura do pensar! Triste lamento!
Quem nos dera calar a tua voz!
Quem nos dera cá dentro, muito a sós,
Estrangular a hidra num momento!

E não se quer pensar! ... e o pensamento
Sempre a morder-nos bem, dentro de nós ...
Querer apagar no céu – ó sonho atroz! –
O brilho duma estrela, com o vento! ...

E não se apaga, não ... nada se apaga!
Vem sempre rastejando como a vaga ...
Vem sempre perguntando: “O que te resta? ...”

Ah! não ser mais que o vago, o infinito!
Ser pedaço de gelo, ser granito,
Ser rugido de tigre na floresta!


Florbela Espanca








domingo, 15 de janeiro de 2012

Michael Kiwanuka - Home Again

















Este senhor vai dar que falar nos próximos tempos, habituem-se a sua extraordinária originalidade .
Premiado pela BBC com o galardão " Sound of  2012, é mais uma das belas novidades para este ano
.
Lançou em 2011 o seu álbum debut " Home Again " que é uma obra prima...
Maravilha para um domingo fim de tarde, soft, muito cool...




























http://en.wikipedia.org/wiki/Michael_Kiwanuka

saturday night fly... - music, just music







Grande banda , grande som os percursores de muito daquilo que se faz na dance music,beat !!!
Heavy fellings tonight !!!









outro grande génio, extraterrestre ,tssss tssss tssss tss









a noite já vai alta em Maputo, as teclas olham para mim meio adormecidas, mas eu nao desisto e vou com a minha ganza atrás das emoções, flying....









this is my beat...freaky felling, just like that !!
a vida é tão nice e nós acabamos nos enredando em shitttttt.....











...ahmmmm, bom vou baixar o beat e relaxar para dormir...de manhã vou fazer a minha borboleta de ladrilhos no Massala Bar, byeeee








Ah... não pensem que eu não estou aqui...estou sim e de verdade, estou como a montanha, sólido e seguro...em relação ao  que não quero claro !!!
o resto, os Orixás, os Xicuembos, Buddha, o Inominável, o Perfeito Indescritível , whatever you can call Him ,me levará...




sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Massala - música da minha terra











Contactei a jornalista Paola Rolleta que foi quem fez este trabalho maravilhoso e pedi-lhe se o podia usar.
Ela  deixou-me usá-lo.
Misturei  vozes que cantam a verdadeira cultura moçambicana à massala e acho que vocês vão gostar deste cocktail daqui do Sul da África .
Estou feliz ...
Just like that !!!



      





Era uma vez uma longa estrada na parte Oriental de África, para o Sul, cheia de massaleiras. Era a estrada do maná, o alimento vindo dos céus. Na realidade, trata-se de uma longa rota dos elefantes que se alimentavam das massalas. E aqui surge a parte curiosa da história: é dificílimo plantar uma massaleira, pois esta requer condições muito próprias de humidade e calor. Quando o elefante defeca, os caroços da massala vão envolvidos no ambiente húmido necessário para fazer desabrochar a massaleira,criando-se assim um ciclo contínuo: a massaleira alimenta os elefantese estes são os únicos que fazem nascer massaleiras. O maná seria o frutodos céus oferecido pelos deuses, único alimento nessa rota de emigração. Li esta história fascinante num blogue da internet.
Porquê massala? Aí está outra parte curiosa. Vendem-se massalas ocas,coloridas, nas feiras e nas lojas de artesanato, como elementos decorativos.
E está muito na moda, nas casas bem de Moçambique, decorar as mesas também com frutos silvestres. Mas quando se pergunta acerca deles, poucas pessoas sabem responder. Resta a internet para pesquisar. Mas, depois, é preciso fazer um controlo das informações porque há muita coisa demasiado exótica por aí. Li, por exemplo, que as gochas, o instrumento idiófono, tipo chocalho de mão, feito com massalas e sementes, eram utilizadas antigamente para “expulsar os espíritos maus” das mentes dos doentes. Fui falar com o Malangatana acerca disso. “Sempre convivi com curandeiros, na minha família, mas nunca vi usar as massalas para esses fins”.





    





É sempre preciso cruzar fontes para averiguar as informações. Por isso é urgente fazerem-se estudos sobre os frutos silvestres para não se perder o conhecimento tradicional, como me disse Mário Calane, professor de ecologiana Universidade Eduardo Mondlane. “Há plantas que só são procurada em tempo de escassez alimentar. São variedades muito mais adaptadas ao meio onde vivem e podem resistir melhor às mudanças climáticas que já estão de facto a surgir! No campo usam-na, mas os citadinos esqueceram este conhecimento tradicional, que é muito rico e que pode vir a desaparecer se as pessoas do campo forem urbanizadas também. Devemos conservar esse conhecimento tradicional não só para o bem de Moçambique mas para toda a humanidade. São justamente aquelas às quais deviam dar um cuidado muito especial porque são as plantas do futuro!”.
E “fruto do futuro” é justamente o título de um artigo que encontrei acercada massala, a Strychnos spinosa, aquele fruto redondo, como uma laranja,cujo aroma e sabor são extraordinariamente deliciosos. Uma mistura de banana com ananás, com uma pitada de baunilha e um toque de canela!
O artigo realça as qualidades fantásticas da massala: alto valor nutricional, benéfica para o ambiente, fonte de rendimento.





     




 

É também chamada “laranja dos macacos”. A polpa é rica em proteínas, fósforo, magnésio, potássio e tem também uma quantidade moderada de vitaminas B e C. Está presente em toda a África Austral, sendo uma árvore de múltiplos usos. Com a polpa, faz-se sumo, compotas, papas (se misturadas com cereais como fazem em Madagáscar), e uma grande variedade de bebidas que, se deixadas a fermentar, são bem alcoólicas. Se misturada com mel, cura a tosse. É muito sumarenta e é por isso que é muito apetecida,
sobretudo em tempos de seca. Tradicionalmente não se podem arrancar da árvore. Abana-se a árvore e cai, ou, quando está madura, cai por si. A madeira da massaleira é considerada sagrada por algumas comunidades,pela sua beleza e utilidade. Fazem dela bengalas e cajados. A casca seca do fruto faz o som das marimbas, um instrumento tradicional africano que é hoje património universal proclamado pela UNESCO.




                                             




Muitas das informações sobre as propriedades da massala provêm de Israel porque para lá foi transplantada, como um dos novos frutos para climas áridos, um dos frutos do futuro!
A massala deu-se muito bem por aquelas bandas. Muitas das terras cultiváveis têm sido parceladas e urbanizadas. É por isso que procuram outras variedades para consumo humano que se dêm bem em terrenos áridos.
Fizeram testes organolépticos, perguntando às pessoas para compararem a massala com outros frutos mais familiares. As respostas mais comuns foram laranja, banana, alperce e todas as combinações possíveis entre eles todos. O fruto tem um aroma delicado, de cravinho, provavelmente a causado eugenol, o óleo essencial do cravo. Estão a estudar vários produtos a desenvolver, como sumos e rolos de polpa seca.
Existe, entre nós, também um outro tipo de massala, que se chama macuácua,e nome científico Strychnos madagascariensis. Não é tão saborosa como a massala, mas tem um uso muito peculiar. Uma vez tirada a polpa,posta ao sol a secar, retirados os caroços, é pilada para ser conservada em potes durante anos. É a mfuma, como é chamada no Sul de Moçambique.
Em tempos de fome é o único alimento. “Come-se um pouco de mfuma, bebe-se um copo de água, e assim se pode aguentar um dia de trabalho na machamba”, disse-nos Atália, uma senhora de Inhambane, hoje a viver em Ricatla, nos arredores de Maputo.
“Em tempos de fome, o conhecimento tradicional vem ao de cima. Essas plantas eram parte dos alimentos da população nos tempos antigos, antes da introdução de outras espécies de culturas”, diz Mário Calane.









Dona Atália recorda como o pai lhe recomendava que não comesse as sementes da macuácua. Mário Calane explica: “As pessoas do campo não conhecem a explicação científica, mas sabem que as sementes podem dar problemas sérios. As sementes e a casca dessas plantas contêm um alcaloide, a estricnina. O mesmo que acontece com um certo tipo de mandioca”. E sabemos que a estricnina é considerada um estimulante em pequenas doses, mas venenosa e mortal em altas doses. Será que por isso não se pode comer massala depois de uma queimada? Por isso é urgente ir para o campo,recolher informações e ir também para o laboratório. “Esse conhecimento ainda existe. Os anciãos ainda estão lá. É nossa obrigação ir ter com essas comunidades, buscar este conhecimento e publicar em livros. Isso, estamos a fazer. Mas é obrigatório fazermos análises de laboratório para ver as propriedades nutritivas e dar a conhecer a toda a gente. Para isso é preciso tempo e … vontade política”.

Paola Rolleta



     


quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Temptation - Erykah Badú












Estava a ver fotografias e deparei-me com esta, vi a tentação retratada, o apelo primevo ...
Tentação é um  querer focado , podemo-nos referir a diversas tentações, mas é na tentação da carne que a palavra supera qualquer outra tentação...
Ai ela vislumbra o prazer dividido, não é solitária como na  tentação pela comida, na tentação por comprar, ela aqui é visceral, quente, sufocante ...
Falo da tentação do ser livre, não dos que não o sendo confundem a tentação com o desejo pelo fruto proibido...

Falo do lado  lascivo da palavra tentação...











Acredito que se um homem vivesse a sua vida plenamente, desse forma a cada sentimento, expessão a cada pensamento, realidade a cada sonho, acredito que o mundo beneficiaria de um novo impulso de energia tão intenso que esqueceríamos todas as doenças da época medieval e regressaríamos ao ideal helénico, possivelmente até a algo mais depurado e mais rico do que o ideal helénico.
Mas o mais corajoso homem entre nós tem medo de si próprio.
A mutilação do selvagem sobrevive tragicamente na autonegação que nos corrompe a vida.
Somos castigados pelas nossas renúncias. Cada impulso que tentamos estrangular germina no cérebro e envenena-nos. O corpo peca uma vez, e acaba com o pecado, porque a acção é um modo de expurgação. Nada mais permanece do que a lembrança de um prazer, ou o luxo de um remorso.
A única maneira de nos livrarmos de uma tentação é cedermos-lhe. Se lhe resistirmos, a nossa alma adoece com o anseio das coisas que se proibiu, com o desejo daquilo que as suas monstruosas leis tornaram monstruoso e ilegal.
Já se disse que os grandes acontecimentos do mundo ocorrem no cérebro. É também no cérebro, e apenas neste, que ocorrem os grandes pecados do mundo.

Oscar Wilde









A honradez consiste em só aparecer a tentação quando a oportunidade já se foi.
Sofocleto.



Não nos deixar cair em tentação, é o mesmo que dizer: Não nos deixar ver quem realmente somos.

Arthur Schopenhauer.

Nunca resisto a tentações, porque eu descobri que coisas que são ruins para mim não me tentam.
George Bernard Shaw








terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Efémero - music by Amy Winehouse












Lúcido , sinto que a vida é para viver e curtir e não quero mais que as coisas secundárias tenham protagonismo...
nem o amor  quero mais que me domine, quero ficar tranquilo e o amor se tiver que acontecer terá de vir por si, sem que eu o sinta a chegar, não quero de outra forma, não quero mais jogos de sedução, o amor tem de chegar de mansinho,  brilhar sem se notar e ir aninhando-se no meu ser, de outra forma não tem valor, não existe, é fogo fátuo, prefiro amar -me só....
mas nos entretantos sou do mundo e vou viver a vida efémera que tenho, com toda a entrega que isso signifique...amando-me !!!


 



Considera com frequência a rapidez com que  passam e desaparecem os seres e os acontecimentos. A substância, como um rio, está em perpétuo fluir, as forças em perpétuas mudanças, as causas a modificarem-se de mil maneiras; apenas há aí uma coisa estável; e abre-se-nos aos pés o abismo infinito do passado e do futuro onde tudo se some. Como não há-de ser louco o homem que, neste meio, se incha ou se encrespa ou se lamenta, como se qualquer coisa o tivesse perturbado durante um tempo que se visse, um tempo considerável?
Marco Aurélio








Para mim, a vida é tudo menos uma chama fugaz. É uma espécie de magnifica tocha ardente que empunho neste momento e que eu quero que brilhe o mais possível antes de a passar às gerações futuras
George Bernard Shaw





segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Facebook - song by Rolling Stones












O big brother descrito por George Orwell na sua obra "1984" está aí a toda a força.
Este vídeo é de revelações extremamente assustadoras, especialmente quanto ao alcance e aos objetivos que  estão subjacentes a esta brincadeira que nós curtimos chamada Facebook.













http://pt.wikipedia.org/wiki/George_Orwell










domingo, 8 de janeiro de 2012

Jorge Luiz Borges - music by Fun Lovin' Criminals










Soa um pouco  kitsh dizer que este ou aquele escritor é o preferido...
eu  sou fã incondicional, devoto de Borges, a obra a sua vida, o misticismo natural a sua volta
...como foi possível nunca lhe terem dado um Nobel?
não é realmente importante qualquer prémio, mas atendendo que se atribui esse galardão, onde estavam os neurónios e o espírito dos académicos, dos que  escolhem e decidem ?
A magia dos labirintos, dos tigres, dos espelhos,  a sua cultura e erudição, inigualável !!!








AS COISAS


A bengala, as moedas, o chaveiro,
A dócil fechadura, as tardias
Notas que não lerão os poucos dias
Que me restam, os naipes e o tabuleiro.
Um livro e em suas páginas a seca
Violeta, monumento de uma tarde
Sem dúvida inesquecível e já esquecida,
O rubro espelho ocidental em que arde
Uma ilusória aurora. Quantas coisas,
Limas, umbrais, atlas, taças, cravos,
Nos servem como tácitos escravos,
Cegas e estranhamente sigilosas!
Durarão para além de nosso esquecimento;
Nunca saberão que nos fomos num momento.








O Outro Poema dos Dons



Graças quero dar ao divino labirinto dos efeitos e das causas
pela diversidade das criaturas que formam este singular universo,
pela razão, que não cessará de sonhar com um plano do labirinto,
pelo rosto de Helena e a perseverança de Ulisses,
pelo amor que nos deixa ver os outros como os vê a divindade,
pelo firme diamante e a água solta,
pela álgebra, palácio de precisos cristais,
pelas místicas moedas de Angel Silésio,
por Schopenhauer que decifrou talvez o universo,
pelo fulgor do fogo que nenhum ser humano pode olhar sem um assombro antigo,
pelo acaju, o cedro e o sândalo,
pelo pão e o sal,
pelo mistério da rosa que prodiga cor e não a vê,
por certas vésperas e dias de 1955,
pelos duros tropeiros que, na planície, arreiam os animais e a alba,
pela manhã em Montevideu,
pela arte da amizade,
pelo último dia de Sócrates,
pelas palavras que foram ditas num crepúsculo de uma cruz a outra cruz,
por aquele sonho do Islão que abarcou mil noites e uma noite,
por aquele outro sonho do inferno, da torre do fogo que purifica e das esferas gloriosas,
por Swedenborg, que conversava com os anjos nas ruas de Londres,
pelos rios secretos e imemoriais que convergem em mim,
pelo idioma que, há séculos, falei em Nortúmbria,
pela espada e a harpa dos saxões,
pelo mar que é um deserto resplandecente e uma cifra de coisas que não sabemos e um epitáfio dos vikings,
pela música verbal da Inglaterra,
pela música verbal da Alemanha,
pelo ouro que reluz nos versos,




pelo épico Inverno,
pelo nome de um livro que não li: Gesta Dei per Francos,
por Verlaine, inocente como os pássaros,
pelo prisma de cristal e o peso de bronze,
pelas riscas do tigre,
pelas altas torres de S. Francisco e da ilha de Manhattan,
pela manhã no Texas,
por aquele sevilhano que redigiu a “Epístola Moral”e cujo nome, como ele teria preferido, ignoramos,

por Séneca e Lucano, de Córdova, que antes do espanhol escreveram toda a literatura espanhola,
pelo geométrico e bizarro xadrez,
pela tartaruga de Zenão e o mapa de Royce,
pelo odor medicinal dos eucaliptos,
pela linguagem, que pode simular a sabedoria,
pelo esquecimento, que anula ou modifica o passado,
pelo costume, que nos repete e confirma, como um espelho,
pela manhã, que nos depara a ilusão de um princípio,
pela noite, sua treva e sua astronomia,
pelo valor e a felicidade dos outros,
pela pátria, sentida nos jasmins ou numa velha espada,
por Whitman e Francisco de Assis, que já escreveram o poema,
pelo facto de que o poema é inesgotável e se confunde com a soma das criaturas e jamais chegará ao último verso e varia segundo os homens,
por Frances Haslam, que pediu perdão a seus filhos por morrer tão devagar,
pelos minutos que precedem o sonho,
pelo sonho e a morte, esses dois tesouros ocultos,
pelos íntimos dons que não enumero,
pela música, misteriosa forma do tempo.













http://pt.wikipedia.org/wiki/Jorge_luiz_borges

Stan Getz - Petulância










Todos os dias os encontro. Evito-os. Às vezes sou obrigado a escutá-los, a dialogar com eles. Já não me confrangem. Contam-me vitórias. Querem vencer, querem, convencidos, convencer. Vençam lá, à vontade. Sobretudo, vençam sem me chatear.

Mas também os aturo por escrito. No livro, no jornal. Romancistas, poetas, ensaístas, críticos (de cinema, meu Deus, de cinema!). Será que voltaram os polígrafos? Voltaram, pois, e em força.
Convencidos da vida há-os, afinal, por toda a parte, em todos (e por todos) os meios. Eles estão convictos da sua excelência, da excelência das suas obras e manobras (as obras justificam as manobras), de que podem ser, se ainda não são, os melhores, os mais em vista.










Praticam, uns com os outros, nada de genuinamente indecente: apenas um espelhismo lisonjeador. Além de espectadores, o convencido precisa de irmãos-em-convencimento. Isolado, através de quem poderia continuar a convencer-se, a propagar-se?(...) No corre-que-corre, o convencido da vida não é um vaidoso à toa. Ele é o vaidoso que quer extrair da sua vaidade, que nunca é gratuita, todo o rendimento possível. Nos negócios, na política, no jornalismo, nas letras, nas artes. É tão capaz de aceitar uma condecoração como de rejeitá-la. Depende do que, na circunstância, ele julgar que lhe será mais útil.
Para quem o sabe observar, para quem tem a pachorra de lhe seguir a trajectória, o convencido da vida farta-se de cometer «gaffes».






Não importa: o caminho é em frente e para cima. A pior das «gaffes», além daquelas, apenas formais, que decorrem da sua ignorância de certos sinais ou etiquetas de casta, de classe, e que o inculcam como um arrivista, um «parvenu», a pior das «gaffes» é o convencido da vida julgar-se mais hábil manobrador do que qualquer outro.

Daí que não seja tão raro como isso ver um convencido da vida fazer plof e descer, liquidado, para as profundas. Se tiver raça, pôr-se-á, imediatamente, a «refaire surface». Cá chegado, ei-lo a retomar, metamorfoseado ou não, o seu propósito de se convencer da vida - da sua, claro - para de novo ser, com toda a plenitude, o convencido da vida que, afinal... sempre foi.

Alexandre O'Neill


sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Egocentrismo - songs by Nneka and Asa












Egocentrismo é a característica que define as personalidades que consideram que tudo gira ao seu redor.




Tenho ouvido  pessoas queridas me rotularem de egocêntrico, não aceito porque acho que muitas vezes se confunde egocentrismo com a capacidade que certas pessoas têm de gerar energias positivas a sua volta...digo isto sem querer ser pretensioso, mas desgosta-me...
Gosto de sonhar e buscar realizar os meus sonhos, mesmo que sejam fora do comum; gosto de falar sério e botar conversa fora; gosto de ser irónico e rio-me de mim próprio quando fazem ironia comigo; tenho opinião própria mas sei ouvir os outros e adoro ler e buscar nos espíritos mais brilhantes o sumo recolhido por eles e tento ser melhor ; não manipulo, não busco nenhuma plateia, vivo bem só e gosto muito de estar comigo...
Vou espreitar sobre o egocentrismo e no fim talvez mude de ideia, tomara que não...



...
Pareço egoísta àqueles que, por um egoísmo absorvente, exigem a dedicação dos outros como um tributo.
Fernando Pessoa




O motor principal e fundamental no homem, bem como nos animais, é o egoísmo, ou seja, o impulso à existência e ao bem-estar. [...] Na verdade, tanto nos animais quanto nos seres humanos, o egoísmo chega a ser idêntico, pois em ambos une-se perfeitamente ao seu âmago e à sua essência.

Desse modo, todas as acções dos homens e dos animais surgem, em regra, do egoísmo, e a ele também se atribui sempre a tentativa de explicar uma determinada acção. Nas suas acções baseia-se também, em geral, o cálculo de todos os meios pelos quais procura-se dirigir os seres humanos a um objectivo. Por natureza, o egoísmo é ilimitado: o homem quer conservar a sua existência utilizando qualquer meio ao seu alcance, quer ficar totalmente livre das dores que também incluem a falta e a privação, quer a maior quantidade possível de bem-estar e todo o prazer de que for capaz, e chega até mesmo a tentar desenvolver em si mesmo, quando possível, novas capacidades de deleite. Tudo o que se opõe ao ímpeto do seu egoísmo provoca o seu mau humor, a sua ira e o seu ódio: ele tentará aniquilá-lo como a um inimigo. Quer possivelmente desfrutar de tudo e possuir tudo; mas, como isso é impossível, quer, pelo menos, dominar tudo: "Tudo para mim e nada para os outros" é o seu lema. O egoísmo é gigantesco: ele rege o mundo.

Arthur Schopenhauer


              




Não devemos confundir Amor-Próprio com o próprio amor, que nada tem a ver com o orgulho e egocentrismo.

Evan do Carmo



Muitas vezes as pessoas são egocêntricas, ilógicas e insensatas.
Perdoe-as assim mesmo.
Se você é gentil, as pessoas podem acusá-lo de egoísta, interesseiro.
Seja gentil, assim mesmo.
Se você é um vencedor, terá alguns falsos amigos e alguns inimigos verdadeiros.
Vença assim mesmo.
Se você é honesto e franco as pessoas podem enganá-lo.
Seja honesto assim mesmo.
O que você levou anos para construir, alguém pode destruir de uma hora para outra.
Construa assim mesmo.
Se você tem paz, é Feliz, as pessoas podem sentir inveja.
Seja Feliz assim mesmo.
Dê ao mundo o melhor de você, mas isso pode nunca ser o bastante.
Dê o melhor de você assim mesmo.
Veja você que no final das contas, é entre você e Deus.
Nunca foi entre você e outras pessoas.

Madre Tereza de Calcutá