segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Eduardo White, o poeta maldito...










                                                             






 Faleceu ontem o meu amigo, companheiro de viagens interiores alucinantes, parceiro de saltos no abismo das almas e também meu inimigo em discussões geradas nas muitas nossas noites de excessos... 

Foi-se embora e nem se despediu, foi como quem já tivesse partido faz muitos anos, ficaram no limbo as suas palavras tantas vezes vomitadas, de impulso gritado a despropósito ou a propósito de nada ou a doçura de suas rimas, dançando feito borboletas do paraíso nos perfumando as almas...
Palavras que ele construia com mestria nata, perfeitas , melodiosas, com sabor e cheiro, vivas !!

Eduardo é para mim o maior poeta de Moçambique e é também um dos maiores poetas da língua portuguesa e nem mesmo a insensibilidade com que o nosso país se despediu dele  fará mudar isso.
O mundo se renderá á sua obra mágica, ímpar e o colocará no lugar que já lhe estava reservado desde antes dos tempos... 

Eduardo era um poeta da tribo dos poetas malditos, sereno e sóbrio era o gentlemen, ébrio era um furacão que ninguém aguentava...
Rodava pelas barracas e vielas escuras de Maputo, seus ambientes de eleição, como uma assombração divina , chegava e a poesia se enchia de musas pairando á sua volta, as noites poderiam ir de loucas a insanas ou de solenes ás lágrimas do desespero existêncial...
Eduardo de lágrima fácil era um angustiado compulsivo e ao mesmo tempo um boémio da música, de humor sarcástico, ferino e sempre acompanhado por aquele seu riso sacanoide...
Eduardo White, a nossa terra perdeu o verdadeiro artesão mestre das palavras, perdeu essa fábricação contínua de poesia que te saia aos borbotões a toda a hora, tinhas só uma língua, tu falavas poesia, eras a poesia !
Adeus Eduardo White !!!! 











Quando a morte me chegar, não me dêem flores e nem discursos para moldar. Levem-me para casa, para que todos os dias possa voltar aos meus lugares de onde parti. Chamem pelo nome do meu País para que eu sinta as ruas que em vida percorri, chamem por ele, devagar, para que a morte saiba que não morri.

Quando eu morrer, não quero beleza das mulheres que eu amei perto de mim, antes quero os filhos onde toda vida eu cresci e quero-os belos nessa hora, e fortes e grandes como um rio para os celebrar, como uma linha de frio que mesmo, morto me faça sorrir e quero-os vivos e cheios de si, que do escuro onde me descobri se acenderá uma vela trémula de Deus e de mim.

Não quero padres nem missas que me encomendem, quero o barulho dos amigos com quem vivi, os que me deram as mãos quando precisei, os que nunca voltaram as costas quando eu enfraqueci, os que comigo beberam, os que comigo receberam o que a vida me deu e não percebi.

Quando morrer, digam um a um o nome das mulheres simples dsa minha Pátria, essa que a tornaram carne e chão, pão e vento, essas que têm estradas infinitas dentro de si e uma cama generosa para podermos dormir. E não lembrem os meus versos nesse dia que eles foram demasiado pequenos paar o merecerem e nem me demorem demasiado a velar e nem se compadeçam com os motivos porque não haverá gente para me chorar.

Quando eu morrer, recordem-se, se o puderem, quero um pedaço da terra onde eu brinquei e fui menino sobre o meu peito, uma goiaba, um pássaro que se solte do meu cadáver e que para o azul se incendeie e com isso me faça subir não para as luzes das estrelas que nunca quiz, mas para o infinito que ambicionei e pelo qual me perdi. Quero os rostos dos alfaiates sorrindo-me das velhas máquinas, das velhas fumando seus grossos cigarros em papel de caqui, quero campainha de uma ginga na magreza robusta de um pescador e uma cachaça de cana e um bolinho de sura para que a vida saiba que eu vivi.

Quando eu morrer não quero a íngua do luto, quero a lembrança de ter sido feliz, muito ou pouco, mal ou bem, quero isso que fui, quero isso que tive, quero tudo o que não dei nem nunca recebi para que seja pura a morte e se adoce como um fino licor de aniz. 

Por isso, quando eu partir, lembrem-se de Deus porque eu o vi, bebam com ele um copo e dancem e catem e abracem o Mundo como ele se abraçou a mim e acreditem que estarei convosco, e acreditem que beberei convosco, e acreditem que abraçarei o Mundo da mesma maneira que o escrevi.

E quando tiver chegado a hora de me estenderem nesse eterno repouso, nesse perpétuo sono onde me dividi, eu lembrar-vos-ei melhor por isso, mesmo que nunca o tenham sido, e lembrar-me-ei de mim, feliz, nessa hora que nunca quiz.

Mas se houver quem disto se ria, quem disto fizer gozo desmesurado, antes de morrer eu recordo-lhes que não quero na morte o que na vida me recusaram, nem eles, nem brilhantes, nem foguetes, nem gente se lembrando dela para que do morto se esqueça, nem nada que seja grande porque nunca o fui e nem que julgue hipócritamente poder merecer.

O que quero, quando eu morrer, haverá de ser TUDO o que a morte me levar do quase NADA que a vida se prestou a roubar-me. Tão sómente isso, eu quererei quando eu morrer.






http://videos.sapo.mz/C1QLW0wTDQRZJNSy85kP