segunda-feira, 25 de junho de 2012

Parabéns Moçambique !!





                        

                                             Samora Machel proclamando a Independência de Moçambique



        25 de Junho de 1975, estava lá no estádio da Machava, esperamos à chuva, agrupados ao estilo russo  por Grupo Dinamizadores dos Bairros e  a chuva a cair miúda  sem parar...
    depois já dentro do Estádio vi os recém chegados  ilustres filhos da Pátria, a figura daqueles que na mata tinham lutado para que chegassemos aquele 
momento solene
 ...ouvimos a voz carismática de Samora Machel proclamando a nossa Independência ...
a bandeira de Portugal foi arreada e em extase hasteamos todos a nossa primeira bandeira, a de Nação Soberana.
A 1ª bandeira, a da República Popular de Moçambique , a nação nascia marxista -leninista !!!
Muita coisa aconteceu e escrevemos a nossa história recente com sangue e com determinação.





Hoje somos mais maduros, temos mais tranquilidade para pensar e tomar decisões e somos a Republica de Moçambique, nação jovem, terra prometida para muitos, nossa terra onde ainda esperamos que seja  profícua para os seus filhos...
Manancial de possibilidades para o mundo inteiro mas ainda muito aquém do bem que poderia gerar na vida dos moçambicanos...

Como diz o Mia Couto, existem muitos enriquecidos quando precisávamos sim era de ricos, geradores de riqueza, ricos por trabalho realizado, ricos que contribuem  na criação de  empregos, que fazem obra visível e com pertinência  para o desenvolvimento do país, etc... 





Vivi isso com os meus 17 anos e nesse momento inesquecível , como se em viajem psicadélica sonhei a minha pátria e evoco aqui o poema de  José Craveirinha, o nosso poeta-mor !!!!



SIA-VUMA 

Enquanto
instintivas andorinhas
incansáveis fulgem as asas 
contra a taciturna saca azul
engomada a pulso sobre nós
com alcunha portuguesa de céu
suburbaninhos largam-se à mecha dos pneus à mão
ou pilotos analfabetizados mesmo assim guiam
à pata os friendships de caixote
SIA-VUMA!

E o nosso amor de homens
descerra os olhos ao nu mais feminino
de um par de pernas nacionais abertas
na insolação viril do xigubo
SIA-VUMA!

E noivas
cingem aos rins
a vertigem púrpura das capulanas
e reprimem nos bantos corações
uma a uma as missangas da tristeza
e talham a dente a xicatauana da paciência
que o tempo de amar não se extingue
e na espera o longo sono excessivo
do mais verdadeiro amor também compensa
alucinante visão de um novo horizonte
SIA-VUMA!

E carnudos
gomos de lábios escarlates de virgindade
nas nossas pálpebras
boca e músculos tlhatlhuvem a verdade
da coacta insónia do zampungana
SIA-VUMA!

E não mais o lovolo
e a estiva de manhã à noite
sem o gozo comum dos sexos
e coxas delas penetradas
a invencíveis machos de liberdade
SIA-VUMA!

E as maxilas
das fêmeas a tin-gomas de desejo
que nos mordam a carne no delírio
indelével dos dentes
e fembem-nos o torso e os punhos
à lei dos tintlholos irados
contra as maiúsculas das letras
e algarismos nas blusas de contratados
SIA-VUMA!

E o comboio dos magaízas
será transporte escolar dos meninos da linha
e os compondes celeiros do nosso milho
SIA-VUMA!

E um círculo de braços
negros, amarelos, castanhos e brancos
aos uivos da quizumba lançada ao mar
num amplexo a electrogéneo
apertará o imbondeiro sagrado de Moçambique
à música das timbilas
violas, transístores e xipendanas
SIA-VUMA

E dançaremos o mesmo tempo da marrabenta
sem a espera do calcanhar da besta
do medo a cavalo em nós
SIA-VUMA!

E seremos viajantes por conta própria
jornalistas, operários com filhas também dançarinas de ballet
arquitectos, poetas com poemas publicados
compositores e campeões olímpicos
SIA-VUMA!

E construiremos escolas
hospitais e maternidades ao preço
de serem de graça para todos
e estaleiros, fábricas, universidades
pontes, jardins, teatros e bibliotecas
SIA-VUMA!

E guiaremos as nossas charruas
editaremos os nossos livros
semearemos de arroz os nossos campos
sintonizaremos a voz dos nossos emissores
e bateremos também o crawl nas piscinas
SIA-VUMA!

E ergueremos estátuas aos nossos técnicos
estâncias para os nossos velhos
estádios para os nossos jovens
e represas alegóricas ao pai
à mãe e ao filho não evocados nas maldições
infinitas que devastaram a África
SIA-VUMA!

E distribuiremos amuletos de aritmética
e invocaremos o exorcismo dos altos-fornos
a antropologia cultural de um changana
a uma virgem maconde moçambicanamente
e a lógica diesel das geradoras na Manhiça
SIA-VUMA!

E armados de martelo e chaves-de-boca
montaremos água canalizada no Xipamanine todo
desviaremos o machimbombo 7 para a Polana
e o machimbombo 2 da Polana para o Alto-Maé
e controlaremos a lavra de quilovátios todos os dias
semeando amperes no Chamanculo inteiro
SIA-VUMA!

E inocularemos
e nós para o mundo a vacina
contra os vírus suásticos
e pendurada exibiremos ao povo dos belos bairros
a relíquia fóssil da gengiva de nojo
dos que traírem o folclore deste poema
SIA-VUMA!

E à propaganda deste abecedário
inoxidáveis ao medo
levantemo-nos ao acetileno das palavras
insurrectos em massa
SIA-VUMA!

E deixem em nós gerar-se
irresistível a prole das sementes do beijo
consanguíneo do Grande Dia
SIA-VUMA!

Que um enxame de mãos em prece
na orgia fantástica dos augúrios do nhanga
há-de voltar deste exílio
mais moçambicano connosco
SIA-VUMA!


Passaram 37 anos e eu queria que o meu País fosse mais justo e que o objectivo de vida vigente que é o de atingir a riqueza a qualquer preço,  fosse substituído pelo nascer de uma consciência nacionalista  e que nos preocupássemos mais em desenvolver os valores humanos e no ensinamento do sentido profundo do  significado da pátria...









Queria também que aqueles que traçam o nosso futuro , não perdessem completamente o sentido da realidade e que conseguissem ver o caminho para onde estão a levar um povo inteiro...
Que reflectissem  com sentimento e com respeito..
O meu sonho de pátria mantém-se intacto e sei que encontraremos o nosso caminho, que as ervas daninhas serão arrancadas pela raiz e que definitivamente trilharemos o caminho do desenvolvimento, da justiça, da verdade...












Sou feliz por ter nascido aqui e por pertencer a este povo humilde, alegre, generoso e trabalhador...
Podia dizer tanto mas chega...
Parabéns Moçambique, parabéns por termos conseguido nos mantermos e vivermos em paz, apesar dos pesares...

  Aos trancos e barrancos vamos  crescendo e  vamos nos acertando...










6 comentários:

  1. PARABÉNS! Posso sentir sua emoção daqui...independência,liberdade e paz, a despeito de muitas mortes e sofrimentos, é o sonho de qualquer povo. Que poema esse! Apesar de ter vários vocábulos que desconheço...xigubo,xipendanas,tlhatlhuvem,zampungana,SIA-VUMA... de uma intensidade!Bem podia ser meu google tradutor hein Tony?rsrs
    Beijuuss, amado, nessa data TÃO importante!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ahahahh, ai vai então:

      xigubo- batuque
      xipendanas-instrumentos musicais
      tlhatlhuvem- acção do curandeiro ao sacudir os ossinhos antes de os jogar no chão
      sia vuma - amen
      lovolo - pagamento feito pelo noivo à família da noiva
      xicatauana - roupa interior
      fembem - chamamento dos espíritos feito pelo curandeiro
      tingoma - batuque do curandeiro
      tinlholos - os ossinhos que o curandeiro lança
      magaizas - os moçambicanos que iam trabalhar nas minas da africa do sul
      quizumba - hiena
      ...não domino estas línguas mas conversei com o pessoal do bar e ai vai o tradutor-massala
      beijinho
      timbilas - instrumento musical
      marrabenta - dança nacional mais popular
      nhanga - curandeiro

      Eliminar
  2. Nossa amigo! Fiquei até emocionada!
    Parabéns Moçambique!
    Bjs.

    ResponderEliminar
  3. Pois num é que voltei pois sabia que não me decepcionaria rsrs. Agora li de novo com as devidas traduções. É dialeto? Adorei SIA VUMA!
    Beijuuss de obriagada n.a.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não temos dialetos, é sim uma das várias línguas nacionais.
      Neste caso do sul de Moçambique e chama-se língua Ronga
      beijo

      Eliminar
  4. Texto lindo, comovente. Perspectivas de um verdadeiro cidadão zelando para que sua nação verdadeiramente se liberte e cresça. Vida longa e feliz ao seu Moçambique, Tony.

    Beijo!

    ResponderEliminar