quinta-feira, 21 de junho de 2012

Babylon is falling...













Quando o juízo final chegar quero estar sentado na fila da frente e quero ser julgado...
vou dizer que passei por aqui sempre expectante e sempre disposto a ir mais além, seguindo a miragem do bem...
vou dizer que nunca foi minha intenção fazer deste planeta um lugar ruim...
vou dizer também que nunca percebi as regras que nós inventamos para nós,  nem os resultados antagónicos entre o que se conseguiu tecnologicamente e o fracasso do que não se conseguiu para a humanidade num todo...





Vou berrar com raiva e desencanto pelo facto da maioria ter vivido sem nunca ter realizado os seus anseios e reenvindicar saber  o porquê de só alguns terem chegado lá...
vou perguntar porque razão tivemos de passar por tantas provações e mesmo assim não entendermos o porquê...





Nesse dia vou expurgar meus podres e exigir a justificação de ter tido de entrar num jogo em que não pedi para participar...
vou me rir na cara dos juízes e dizer-lhes que não tenho medo de nada e que a minha alma já não lhes pertence desde há muito...
quando soarem as trombetas do veredicto eu quero estar atento e estarei pronto para o que der e vier, 
só espero sem humildade alguma que  no fim TUDO FIQUE CLARO E EU PERCEBA OS DESÍGNIOS QUE NOS FIZERAM AQUI SURGIR E AQUI PERMANECER ...





 Por agora a minha raiva egoísta, pessoal, é apenas uma insignificância face ao caos...e é insanamente corajosa 
Toquem música!!!
Toquem sons embriagantes da Babilónia a ruir....
Sirvam-me o amor, embriaguem-me de prazer, deixem-me gargalhar até aos limites, deixem-me ficar LOUCO, enlouquecido...enquanto ainda tenho tempo!!!






3 comentários:

  1. Tem um lugarzinho nessa fila preu?
    "Eu sinto raiva dos mundos que não me pertencem
    Das luas dilaceradas, há muito sem brilho
    Dos passos abandonados, da ruína que trilho
    Da hipocrisia silente, do canto profano
    Do ódio velado, do grito maldito
    Do verso não dito, do rumo perdido...
    Sinto raiva porque não sei bem o que sentir, tenho medo de partir
    E assim violentar os fantasmas que hei de deixar para trás, desolados
    Quando o último trem se for
    E me levar a trilhar caminhos feitos de éter, contrabandeado
    Por canalhas fisiologistas, burocratas e narcisistas
    Que impuseram ao mundo essa ideia torpe
    De que toda raiva deve ser explicada, rotulada e sufocada
    Evado-me!"
    Beijuuss, amorosos, Tony.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fui investigar e esse Ramiro é louquíssimo
      Obrigado Regina

      Eliminar
    2. Enlouqueçamos e suportemos! comentei isso por esses dias num blog por aí, e agora aqui repito. Por que enlouquecer, dançar a doida música que toca, é o caminho menos dolorido, às vezes.

      Quando te derem essas respostas, favor me avisar.

      Beijo!

      Eliminar