sexta-feira, 12 de abril de 2013

O tempo em camadas vividas...














         





As teias que envolvem o quadro escondido pelo tempo são como uma manta de filigrana
No fundo do sótão, por trás de móveis desconjuntados, da bola de basket careca de tantas partidas
A tela esquecida, na penumbra dos dias permanece guardando a história dum tempo, dum espaço...
Não feito o quadro de Dorian Gray, apenas se descascando imperceptível mente, devagar...















No dia em que se fez a mudança de casa, nesse dia ele seria relegado para o fundo do sótão
Esta casa do presente, já muito antiga, não tem  nenhuma parede onde ele possa ser pendurado

Nenhum prego, nenhum acessório poderá suster o peso da pintura, as paredes liquefazem-se

Nesta casa a luz faz com que o azul do mar da tela se derrame qual maré pelo chão, pelos quartos

As gaivotas volteando por cima do barco artesanal ouvem-se pelos corredores, ah o calor...

O calor, a brisa do mar não chega para amenizar o torpor , o chão de madeira ferve, a areia queima..














Por dentro de nós passam mundos, passados,  presentes e futuros, atropelam-se as noções elementares
O vivido, são camadas de vida vivida e em qualquer delas existimos intensamente, nos apaixonamos, nos angustiamos  parecendo que só aquele presente existiu, são tantos presentes
Camada a camada vamos vivendo a vida vivida, fluindo...
O que se vive no presente, é apenas mais uma camada a acrescentar às outras, às que passaram
É o momento real, que nos envolve, que nos faz agir e que nos faz pensar no impalpável  futuro
Ele virá, será presente e de imediato mais uma camada a sobrepor as outras...














A dimensão dos sonhos sonhados, das vontades, dos desejos, do que se imagina no cenário presente
Essa é a única dimensão que não se junta as camadas do tempo, a dimensão da mente
Ela projecta e desenha, pinta, ela representa só para ti, exclusivamente és tu e sonhas para ti
Dentro de nós estão mundos passados,  presentes e futuros, atropelam-se as noções elementares
O viver transforma-se numa grande aventura, numa viajem de constantes revelações, materiais, etéreas, whatever, maravilha !











4 comentários:

  1. Visceralidade é como devia se chamar, meu caro Mickey de Maputo. Acho que até que as inquietações todas gostam de te cercar, só pra verem brotar gritos assim, poeticamente sangrados.

    Fique bem.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  2. UAU que aventura!!! Minha Mi_nina já comentou lindamente e faço minhas suas palavras.
    Beijuuss Tony

    ResponderEliminar
  3. Brigou comigo foi? Nunca mais me deu a honra de sua visita...snif snif e hj venho pra te convidar a conhecer um projeto...acho que vai gostar!
    Beijuuss saudosos

    ResponderEliminar
  4. Na densa floresta onde a dor habita liberta-se o sorriso, tímido, inseguro e ansioso pelos sons tão bem colocados aqui.

    namastê

    ResponderEliminar