quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Os inquietos e a floresta profunda













Basta ler alguns blogues amigos e o que salta à vista é a inquietação que a nós todos toma de assalto tantas  vezes. 
Somos uma espécie inquieta e por essa razão inventamos tantas terapias, tantas filosofias, tantas religiões.

A inquietação vence sempre, ela permanece e mesmo que achemos uma fórmula para aquietarmos nosso ser  o exterior que é uma máquina compressora nos invade e lá  vai toda a acalmia por água abaixo.








Os budistas se refugiam nos seus eremitérios e dessa forma conseguem permanecer muito tempo sem que a alma se alvorace...
Eles são pessoas que se desligam do mundo material e do mundo das pessoas comuns.

Nós os comuns mortais não temos como e esse nosso kharma é uma marca registada, sofrimento sempre...








A droga, o álcool, a fuga, o desistir, os fanatismos etc,  são as falsas saídas mais usadas contra essa nossa  condição tão penosa.

Por muito que nós queiramos nos auto-educar no sentido de viver em paz  é quase impossível , o nosso modus vivendi , o modelo de vida vigente à escala global nada tem que nos possa encaminhar para uma existência de paz, ele é predador, cruel, sem piedade; é a lei do mais forte , a do mais astuto.










Vejo nos comentários dos blogues o pessoal dando sua opinião sempre no sentido de ajudar o inquieto e me apetece dizer:
" Pimenta na boca do outro é açúcar na nossa "
Nós seres humanos somos tão esquisitos, puxa !!
Alguém sabe duma boleia para Marte ou Urano? 
Eu vou, tipo final do filme Encontros Imediatos de 3º grau...

...não se esqueçam também que 21 de Dezembro é o fim do mundo ou fim dum ciclo ou fim de qualquer coisa ou mesmo sei lá, o fim da picada !!









2 comentários:

  1. Que inquietude azeda, heim? Eu também não sou muito chegada nos bons conselhos não, autoajuda é um saco, porque o próprio nome sugere que a pessoa encontre a própria salvação.Oras, se fôssemos assim autoajudativos, não estaríamos lascados no mar da inquietude e insatisfação.

    Tem a letra do Arnaldo Antunes que diz: "E todas as pessoas que falam pra me consolar, parecem um bocado de bocas se abrindo e fechando sem ninguém pra dublar"... É por aí.

    E se o mundo não acabar, se o fim da picada não tô feio, nos veremos num comentário e outro, apontando sempre o caminho mais bacaninha para o bem alheio.

    Inté, Mickey.

    ResponderEliminar
  2. Por aqui dizemos pimenta nos olhos dos outros é refresco rsrsrs. É beeem assim mesmo. Somos muito esquisitos e palpiteiros da vida alheia, mas quero crer que é sempre com a MELHOR das intenções.
    Beijuuss, eternamente, inquietos

    ResponderEliminar