quinta-feira, 24 de março de 2016

Fatoumata Diawara e a minha terra a sangrar...








campo de refugiados moçambicanos  no Malawi















Que dizer quando vejo os homens a atingirem o apogeu da sua bestialidade?
Poderia  falar do mundo, dos conflitos, dos politicos, da falsidade que aliada à crueldade se converteram nos instrumentos para a nossa degeneração, a assunção total do vale tudo desde que seja segundo a minha total falta de princípios. 

Extermínios diários de seres humanos, abates traiçoeiros dos seres mais inocentes, o êxodo de milhares, o vento do Apocalipse sopra como nunca, é o tempo do desrespeito total pela vida. A essência do homem é sem dúvida de predador rapasse e está neste momento no seu expoente máximo.
Nós os homens somos maus e por muito que lutemos para ser melhores, por muito que interiorizemos os ensinamentos mais ricos sobre o bem e tudo façamos para termos um mundo melhor, acabamos vendo que só temos feito o contrário.












Como num espelho mágico que reflecte a nossa imagem interior, o que vemos reflectido quando nos olhamos é um monstro sem escrúpulos. Esse monstro que se espalha, que cada vez mais contamina os espíritos dos homens está reflectido neste mundo que deixaremos aos nossos filhos. Que horror !
Nos mais diversos cantos do mundo as pessoas comuns morrem todos os dias vítimas das guerras, vitimas da miséria, loucos e doentes é como essas pessoas acabam antes de sucumbirem. A vida hoje é uma luta canibal pela sobrevivência. Pergunto, será que nascemos neste maravilhoso planeta com o propósito de entrar numa existência de lutas, de competição, de voracidade consumista até ao fim dos nossos dias? A vida em si está longe de ser uma existência com possibilidades, individualmente para alguns privilegiados sim mas para a maioria não !












O meu belo Moçambique está doente e já são muitas as mortes. O meu belo país está na banca rota por culpa de politicos corruptos. O meu chão está em guerra. Os politicos se quisessem poderiam acabar com esta desgraça que se vem arrastando há cerca de 3 anos. Conversa de surdos e as posturas dos governantes de faz de conta a dizer que está tudo bem. Ataques nas estradas, violência contra politicos de ambos os lados. A nossa moeda em derrapagem sem retorno pois os cofres estão vazios. A seca e as cheias que nos assolam para ajudar a este verdadeiro pesadelo. Mais de dez mil moçambicanos vivem miseravelmente em campos de refugiados do outro lado da fronteira e por cá é como se nada estivesse a acontecer
Esperamos todos os dias que algo vá acontecer, para o bem ou para  pior do que já está.Estamos cansados deste status quo de incerteza. A nossa vida vai passando sem podermos fazer qualquer plano. Sobra-nos esperar, só e apenas.
Moçambicanos como que anestesiados vamos vivendo um dia de cada vez e bebendo uns copos, rindo e celebrando a vida, como se a nossa vida fosse normal.









Sem comentários:

Enviar um comentário